Processo de avaliação

O processo de avaliação de uma instância da BVS é permanente e pode ser iniciado tanto pela BIREME, enquanto instituição coordenadora da Rede BVS quando identificada perspectiva de mudança de seu nível, como também solicitada pela instituição coordenadora da instância da BVS. Para avaliação a instância deverá estar cadastrada junto à rede BVS. Para o cadastramento de uma nova instância BVS a secretaria executiva deverá preencher o formulário.

 

Durante o processo de avaliação são considerados os indicadores de evolução de uma instância BVS, assim como o atendimento às recomendações de avaliações anteriores, caso a instância da BVS já tenha sido avaliada anteriormente.

 

O intuito da avaliação continua é fortalecer o cumprimento dos objetivos propostos, ampliando a capacidade de operação da BVS, identificando possíveis melhorias nos serviços e produtos oferecidos e garantindo a qualidade e fortalecimento da rede BVS.

 

O fluxo de avaliação é estabelecido de acordo com o nível de maturidade da instância BVS, conforme apresentado abaixo.

 

1.1 Avaliação de instâncias no nível Piloto

 

A avaliação de uma instância BVS no nível Piloto observa os seguintes requisitos:

 

• Estabelecimento da rede de instituições responsáveis pela instância BVS;

• Inicio de desenvolvimento do portal, com URL acessível e identidade visual própria;

• Existência de fontes de informação próprias sendo atualizadas periodicamente.

 

Cumprindo com esses aspectos a BVS passa então para o segundo nível de maturidade: Em Desenvolvimento.

 

1.2  Avaliação de instâncias nos níveis Em Desenvolvimento e Certificada

 

A avaliação de uma instância BVS nos níveis Em Desenvolvimento ou Certificada compreende as seguintes etapas: Autoavaliação, Parecer da BVS Nacional e Avaliação pela BIREME, conforme apresentado a seguir:

 

1.2.1      Autoavaliação

 

Os coordenadores de uma instância BVS devem realizar uma autoavaliação, com base no documento disponível aqui.

 

Após a autoavaliação, ciente dos indicadores aos quais deverá atender, a instância BVS poderá realizar as modificações necessárias antes de dar seguimento ao processo.  Todavia, para solicitar a certificação a instância BVS deve encaminhar a autoavaliação para a BVS Nacional (no caso de temáticas nacionais, institucionais ou biográficas) ou para BIREME/OPAS/OMS (no caso de nacionais e regionais).

 

Obs.: Esta etapa não se aplica para instâncias BVS com nível Certificada.

 

1.2.2      Parecer da BVS Nacional

 

Toda a instância BVS temática nacional, institucional ou biográfica deve estar integrada à BVS Nacional do país a que pertence, contribuindo com conteúdos relacionados às prioridades de saúde do país. Sendo assim, o parecer da BVS nacional é fundamental no processo de certificação.

 

Uma vez recebida uma autoavaliação, a coordenação da BVS Nacional deverá analisar e emitir seu parecer para a certificação desta instância. O parecer juntamente com a autoavaliação deve ser encaminhado para modelo.bvs@bireme.org.

 

Obs.: Essa etapa não se aplica às instâncias BVS Nacionais e BVS temáticas regionais.

 

1.2.3      Avaliação pela BIREME

 

O processo de avaliação de instância da BVS pela BIREME é realizado por um comitê de avaliação conformado por profissionais de distintas áreas na BIREME. Cada avaliação passará por dois pareceristas que juntos definirão o nível de maturidade da instância BVS.

 

A instituição coordenadora da instância BVS receberá o informe de avaliação contendo recomendações e o nível de maturidade em que BVS se encontra. As instancias BVS classificadas como certificadas receberão as instruções para inserção do Selo de certificação e o acesso ao Certificado online.

 

←Voltar

Print Friendly